6 de fevereiro de 2007

Ainda está para nascer quem me quebre...

A vida, nestas dezenas de anos, de vez em quando apanha-me a jeito e estica-me, torce-me, amarfanha-me, faz-me sentir capacho. E eu choro, gemo, grito, convenço-me que dessa vez é que não posso retomar ao que era antes.
Mas ninguém, nem pessoa chegada nem distante, nem ministro nem subscretário de estado, conseguiu quebrar-me. Porque a certa altura chega-me a raiva. Não o ódio, mas sim a raiva, aquela que faz cerrar os dentes e sibilar um "nem penses que me destróis!".
Desta vez chegou a raiva, e fez-me bem. Estou de dentes cerrados, como tantas vezes na vida precisei, a dizer comigo que vou ganhar alguma coisa, seja o que for que aconteça, e que não "os" vou deixar (sejam quem forem esses "os")... não "os" vou deixar esmagarem-me de jeito nenhum. E com a presença e ajuda de tantos amigos, todos vós que estiveram comigo, sei que vou ser capaz (mesmo que no ministério me chamem incapaz). :-)

Hoje fui arrancada de casa por uma voz (sei, vocês já estão a pensar que "se ela já está a ouvir vozes, deve mesmo estar incapaz....") que me empurrou pelas estradinhas à procura de sol. As pilhas da minha máquina fotográfica estão em coma profundo e não consegui tirar nenhuma fotografia para vos mostrar os lugares por onde andei, lugares lindos, que pude ver graças ao Diogo que me falou da nova estrada no Tejo Internacional.
Vi flores no campo e perdizes, caminhei nas margens de um rio, ouvi a água a marulhar no silêncio imenso do espaço à minha volta e resolvi que hei-de lá voltar num dia de sol aberto e pilhas novas (na máquina) para vos dar a partilhar os lugares onde senti regressar o meu sorriso..

7 comentários:

TINTA PERMANENTE disse...

Força, amiga!
(penduro um sorriso na porta e saio silencioso e sossegado)

Manuel disse...

Isto que acabas de escrever é uma boa notícia. Pena só, a falta de pilhas, mas isso até faz com que lá voltes mais tarde, para "pescares" umas imagens para nos mostrares.
Esta é a Margarida que eu conheço, flexivel, mas forte.
Estamos torcendo por ti.
:-)

Maria disse...

.... pois estamos Guida, torcendo por ti. Gostei de ler. "As mulheres são o ser mais forte que existe", onde é que eu já ouvi isto?.........:-),:-)

Xana disse...

As imagens estão óptimas, era mesmo assim que os prédios de que eu falei faziam! Ainda bem que a raiva já chegou! Vamos a eles, a vitória será nossa!

Joana Botelho disse...

Força, beijos!

Anónimo disse...

O que eu gostava de reagir assim a revezes bem mais insignificantes! Mas por vezes, por muito que na altura não pareça, "faltarem as pilhas" até acaba por ser uma coisa boa. E estou convencida que, como diz a Guida, seja o que for que aconteça, vai tirar alguma coisa boa disto tudo.

Abraço apertado,

Leo

P.S. O meu silêncio não é falta de lembrança.

Rui disse...

Incapaz, tu?!!!

Nessa eu não acredito... por outros motivos, de vez em quando eu também "oiço" uma voz que me é muito querida.

Chamo a esses períodos os "sons do silêncio"...

Ninguém te esmaga, porque tu tens uma força natural e moral capaz de os enfrentar no Ministério, e nestas "retaguardas" terás sempre os Solidários contigo!

Eu acredito em ti!

Abraço-te...