22 de março de 2007

Aprender até morrer, vamos a isto!

O Diogo – quem havia de ser! – trouxe-me um livro que afinal me corrigiu. Neste caso dos liquidambares não se trata de árvores femininas e masculinas. Os meus, que mostrei atrás, estão diferentes apenas porque estão em diferentes fases de maturação.

Mas, sem querer, adivinhei uma parte: Ora vejam um pequeno excerto do que pude ler:
(na maior parte era chinês para mim)

Liquidambar orientalis:

NA IMAGEM:
a – hábito
b – raminho com inflorescências masculinas e femininas (flores masculinas nuas, alternado com escamas nos amentilhos, flores femininas em capítulos globosos, esverdeadas ou amarelados)
c – ramo frutífero

Espécie monóica, ou seja, apresenta flores femininas e masculinas no mesmo individuo.
Floração em Maio.
Originária da Ásia Menor.



(Humphries, Press, Sutton, ilustrações de Garrard, More, “Árvores de Portugal e da Europa”, Guia Fapas.

3 comentários:

Anónimo disse...

As imagens e o texto que as acompanha vêm esclarecer dúvidas.
Obrigado.
LC

M.H. disse...

Tb tenho liquidambares que plantei há 10 anos. Estão grandes e bonitas, e agora estão como as tuas cheias de gomos, outras já com pequenas folhas. Mas nunca me tinha passsado pela cabeça que eram macho e fémea em simultâneo.
Já andei á procura de um azevinho fémea porque tenho pensava que tinha um macho porqueainda não deu bagas vermelhas.....
Acho que vou ter que me informar se o mesmo se passa ou não com os azevinhos.
Bgd pela informação.....e tinha vindo ver se as ovelhinhas já tinham tido os bébés.

Um abraço
M.H.

TINTA PERMANENTE disse...

Pois c'aprendi, aprendi!...
Abraço!