20 de janeiro de 2007

Viagem aos ontens



Esta é a música do meu coração. Mas agora, quando a ouço, tenho sempre de fechar os olhos e fazer um exercício de imaginação.
É que eu sou do tempo em que só a viola, as guitarras e uma única voz se ouviam na penumbra do relento, em que as pessoas sabiam que o único e maior aplauso era o mais total e profundo silêncio, em que estas vozes se lançavam pelos ecos das ruas estreitas e enchiam o mundo de uma melancolia cheia de beleza.
Hoje em dia achamo-lo quase só aqui, e assim, mas ainda vale a pena. Pelo menos para quem tem dentro de si os ecos do passado.
Um dia tenho de lá ir...

1 comentário:

cuco disse...

Fiquei sem palavras....
Fraterno abraço