30 de agosto de 2007

Tammy

Há muito tempo, havia um menino de dois ou três anos que muitas vezes, sem quê nem porquê, precisava de mimo. E queria-o sempre da mesma maneira. Eu tinha de largar os livros por onde estava a estudar, pôr “aquela” canção a tocar no gira-discos – tinha de ser Tammy – agarrar-lhe ao colo, deixá-lo encostar a cabeça no meu ombro de adolescente e embalá-lo enquanto o abraçava com muita, muita força.
Ainda agora, quando ouço estes sons, sinto a cabecinha dele escondida no meu pescoço e os braços de criança nos meus ombros.

Muitos anos depois reencontrei a canção. Mas o homem em que o menino se tornara esquecera “Tammy”, esquecera que tinha precisado de mimo e que eu lho dera. E as notas da canção não lhe trouxeram nenhuma reminiscência.

Apesar disso, neste momento, por dentro de mim, trauteio Tammy como quem murmura uma canção de embalar. E peço ao menino que durma, que se deixe dormir, suavemente, e que nesse adormecer haja ao menos um nadinha do meu embalo. Ao menos um som ao longe, vindo de um passado que há tanto tempo deixou de existir.

4 comentários:

sofialisboa disse...

são bocadinhos de amor que lá ficaram...bjs sofialsiboa

sofialisboa disse...

Olá Guida,

vai dando notícias de ti e como estás. bjs sofialisboa

zaratustra disse...

Um beijinho do tamanho do Mundo é o que eu aqui e agora te deixo. Por certo que esse menino recorda o teu colo, os teus mimos, porque ninguem esquece o amor que nos dão.

eliane disse...

E se eu te disser que cresci desde o berço ouvindo essa canção, num desses discos de vinil, graças ao meu pai?
De tantas músicas que ouvi durante a vida essa tem, com certeza, uma das melodias que mais me tocam a alma.
Também vem de um passado que há muito não existe. E sempre traz saudade, muita.